Revista Êxito na Educação

(Des)Acordo Ortográfico: o que muda?

Foto de Marcos Bagno (2009) tirada por Olga Vlahou

«...o Acordo é importante para afirmar o óbvio: os destinos da língua portuguesa, daqui para a frente, serão ditados pelo Brasil, como potência econômica emergente e como ator destacado na geopolítica mundial.»

Entrevista exclusiva com o linguista MARCOS BAGNO concedida a Ricardo Paes via email

Marcos Bagno é professor do Departamento de Línguas Estran­geiras e Tradução da Universidade de Brasília, doutor em filologia e língua portuguesa pela Universidade de São Paulo, tradutor, escritor com diversos prêmios e mais de 30 títulos publicados, entre literatura e obras técnico-didáticas. Atua mais especi­ficamente na área de sociolingüística e literatura infanto-juvenil, bem como questões pedagógicas sobre o ensino de português no Brasil.

 ÊXITO NA EDUCAÇÃO:  Marcos, sei que já esclareceu em outras entrevistas a sua posi­ção em re­la­ção ao Acordo Orto­gráfico que passa a vigorar ofi­cial­mente este ano, mas Portugal ainda resiste e até a ABL expressou o desejo de aperfeiçoá-lo. Você já rea­firmou que trata-se de um Acordo e não de uma Reforma, que seria decerto algo mais profundo. Você poderia explicar a diferença e a abrangência política deste Acor­do (ou Desacordo) Ortográfico?

Marcos Bagno - Pessoalmente, seria preferível que as duas orto­grafias oficiais, a portuguesa e a brasileira, tivessem sido reconhe­cidas como igualmente válidas para qualquer usuário, nativo ou estrangeiro, da língua. Que cada pessoa escrevesse como bem lhe parecesse, respeitan­do as opções já tradicionais em to­dos os países. Mas, uma vez decidi­da a adoção de uma ortografia unificada, aparando as diferenças entre as duas e man­tendo uma ampla possibilidade de variantes, teria sido mais racio­nal que todos os países implemen­tassem a nova ortografia ao mesmo tempo. No entanto, por chauvinismo de setores culturais portugueses, a im­plan­tação do Acordo em Por­tugal tem sofrido constantes adia­men­tos. A razão é muito simples: para nós, brasilei­ros, o Acordo afeta­rá ape­nas 0,5% do voca­bu­lário, enquan­to para os portu­gueses será 1%. Isso, para eles, signi­fica um "abrasilei­ra­mento" da língua. Grande boba­gem.


Do ponto de vista de políticas lin­guís­ticas, o Acordo é importante para afirmar o óbvio: os destinos da língua portu­gue­sa, daqui para a frente, serão ditados pelo Brasil, como potên­cia eco­nô­mica emer­gen­te e como ator destacado na geopolí­tica mun­dial. Ao mesmo tem­po, infelizmente, Por­tu­gal se acha no fun­do do poço, tragado pela desumana crise que assola a Europa. As velhas ideias de que "a língua perten­ce aos portu­gueses", "os brasileiros falam mal o português" etc. podem ser definitiva­mente incineradas. Mas para isso é fun­da­­mental que o go­ver­no brasilei­ro assu­ma a língua como instru­­mento de uma estratégia política, econômica e cultural importantís­simo. A língua como merca­do­ria, como bem de exportação, responde por altos percentuais do PIB de diversos países como a Espanha, a França, os Estados Unidos e até mesmo Portugal. Precisamos criar e implantar uma política linguística explícita, divulgar o português brasileiro no exterior, criar centros de estudos brasileiros para o ensino da língua etc. Infelizmente isso não tem sido feito. Quando chega­mos, por exem­plo, na Universidade Nacional Autônoma do México, o lugar com o maior número de estudantes de português do mundo, os poucos professores brasileiros não recebem nenhum apoio do governo brasileiro, enquanto o Instituto Camões, mantido pelo governo portu­guês, ocupa um andar inteiro no departamento de línguas estran­geiras. Quan­to à prorro­­gação da implantação definitiva do Acor­do, é um absurdo com­pleto. Todos os órgãos da imprensa e todas as editoras do Brasil já adotaram a nova ortografia assim que ela foi promulgada, em janeiro de 2010. Isso tem implicado um altíssimo custo para as editoras que, a cada nova reedição de suas obras, têm atualizado a ortografia dos livros. Também desde 2010, os livros compra­dos pelo MEC através do PNLD (Programa Nacional do Livro Didático) vêm, por exigência do gover­no, com a nova ortogra­fia. Agora aparecem pessoas que não têm nenhum conheci­mento de causa e inventam de prorrogar a implementação definitiva. É uma perfeita irres­ponsabilidade. Como se não bastasse, o professor Evanildo Bechara aplaude a ideia porque acha que ainda é preciso rever alguns pontos do Acordo. 

Repito: é um absurdo.

Êxito na Educação: que a falta de visão dos governos brasileiros com relação à língua como commodity, como um ativo importante e estratégico, pode nos fazer perder a chance de decidir no futuro os rumos do idioma, o que você prescreveria como primeira etapa a vencer? Estamos em visível desvantagem por termos criado nossa primeira universidade tão tardiamente. Como superar todo esse atraso?

Marcos Bagno - O português brasileiro (PB) é a terceira língua mais falada no Ocidente como língua materna, ficando atrás apenas do espanhol e do inglês. Somos quase 200 milhões de falantes. No entanto, justamente por causa da nossa formação histórica, a cultura linguística dos brasileiros sempre foi muito baixa e principalmente com uma visão negativa da nossa língua. Temos uma entranhada baixa auto-estima linguística: julgamos que nosso português é "feio" e "estropiado", que só os portugueses falam bem etc. Isso tudo é consequência da história da nossa educação, uma história realmente deplorável. Ao final do período colonial, existiam mais de 20 universidades nos países de língua espanhola das Américas, várias delas fundadas já no século XVI. No Brasil, nosso primeiro curso superior, a Faculdade de Direito de São Paulo, só foi fundada em 1827, depois da independência. Durante mais de 300 anos era proibido imprimir qualquer coisa em terras brasileiras e nossa primeira imprensa só foi criada em 1808, com a vinda da família real. Tudo isso tem prejudicado enormemente a implantação de uma verdadeira educação linguística no Brasil, centrada no PB, em suas variedades urbanas de prestígio, que há muito tempo nada têm que ver com o padrão obsoleto prescrito pela tradição normativa. Enquanto continuarmos achando que começar frase com pronome oblíquo é um "pecado" contra "a língua de Camões", vai ser muito difícil avançar rumo a uma verdadeira democratização das relações linguísticas na sociedade brasileira. Poderíamos esperar que a chegada ao poder de um partido mais vinculado às causas populares e, sobretudo, de um presidente falante nativo das variedades menos prestigiadas, fosse alterar essas relações, mas elas permanecem praticamente as mesmas. Enfim, é preciso implantar uma nova cultura linguística no Brasil, de baixo para cima, a partir da escola. Tem havido alguns avanços, poucos, mas ainda é preciso trilhar um longo caminho.

Marcos Bagno tem dezenas de livros publica­dos, dentre os quais destacamos:A Língua de Eulália - novela sociolinguística (1997);

  • Pesquisa na escola: o que é, como se faz (1998);
  • Preconceito lingüístico: o que é, como se faz (1999);
  • Dramática da língua portuguesa: tradição gramatical, mídia & exclusão social (2000);
  • Portu­guês ou brasileiro? Um convite à pes­quisa (2001);
  • Norma linguística (org.) (2001);
  • Linguística da norma (org.) (2002);
  • Língua mater­na: letramento, varia­­ção & ensi­no (2002);
  • A nor­ma oculta: língua & poder na sociedade brasileira (2003);
  • Nada na língua é por aca­so: por uma pedagogia da varia­ção linguística (2007);
  • Não é errado falar assim - em defesa do portu­guês brasileiro (2009);
  • Gramática: passado, presente e futuro (2010);
  • Gramática, pra que te quero? Os conhecimentos linguísticos nos livros didáticos de português (2011);

Gramática pedagógica do português brasileiro (2011);

Leia também: http://observador.pt/2016/01/01/acordo-ortografico-entra-vigor-no-brasil-apos-tres-anos-polemica/

Add comment

Seus comentários são muito bem vindos, contudo nos reservamos o direito de filtrar aqueles que contenham ataques pessoais, que fujam ao escopo do assunto, veiculem publicidade não autorizada ou violem qualquer legislação, local ou internacional, ou mesmo as regras básicas de Netiqueta.


Security code
Refresh