Revista Êxito na Educação

Capa da Edição 8 da Revista Êxito na Educação

 

Existem e resistem, as mulheres. Elas, desde o início, foram e são a maioria de nossas leitoras e colaboradoras. Está provado que as mulheres se interessam mais pela Educação do que os homens. Inclusive a sua própria - dedicam-se de forma mais sistemática à propria qualificação profissional e, embora mais qualificadas que a média dos homens, ainda recebem salários inferiores. Esta edição especial traz o artigo "As mulheres existem" de Cynthia Dorneles e o segundo artigo sobre a Meditação Laica Educacional de Claudiah Rato.

 

As mulheres existem e resistem. Como a Revista, feminina que é.

 

Boa leitura!

 

Ricardo Paes, editor
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

As mulheres existem

Meninas brincando na praia - foto de Cynthia DornelesPara uma jovem que hoje usa minissaia com a mesma liberdade que pode usar um jeans; dá beijo na boca de quem quiser ou não beija ninguém; que concorre no mercado de trabalho; que vota contrariada em partidos que parecem todos iguais - talvez para ela não faça o menor sentido a palavra "feminista".

Talvez a moça tenha ouvido falar ou visto fotografias de umas mulheres queimando sutiãs e já tenha visto um livro grosso chamado O Segundo Sexo de uma tal de Simone de Beauvoir que sua avó lhe contou ser uma feminista que dizia que a mulher não é, a mulher torna-se mulher.

Meditação Laica Educacional e a Adolescência

Orientado para uma educação cujo fim deve ser a formação de uma sociedade capaz de superar os obstáculos produzidos por visões unidimensionais, Morin et al.(2009) defende que temos que avaliar honestamente até onde podemos sustentar a esperança diante da desesperança. Na disciplina de Educação Física, da qual sou professora e onde surgiu a prática da meditação laica, conteúdos subjetivos como a autoestima, a cooperação, a criticidade, respeito coletivo, autonomia e solidariedade obtiveram destaque como conteúdos a serem desenvolvidos e avaliados a partir da mobilização do Colégio Pedro II para a construção do novo Projeto Político Pedagógico (2000-2005). Embora alguns autores (Perez 1997; Trent; Russell & Cooney, 1994; Sacristan, 1975) incluam a autoimagem e o autoconceito como alguns dos fatores importantes de serem levados em conta, também, para o bom rendimento escolar, qualquer conflito interno emocional vivido por nossos alunos não encontra assistência educacional formal a não ser quando já se tornou um problema. Os setores de orientação educacional nas escolas, na maioria das vezes, agem como harmonizadores desse tipo de conflito interno quando ele já escapou ao controle do aluno atingindo a esfera social. Esse campo dentro do complexo mundo psíquico do ser humano não costuma responder à objetividade necessária à medição e avaliação exigida pelos currículos educacionais.

Casa ecológica apoia conscientização ambiental de alunos em escola carioca

foto da casa ecológica feita com garrafas petO projeto foi concebido e executado pela Bem Verde Horta & Jardim para o Colégio Miraflores.

No Rio de Janeiro, educação ambiental se aprende na prática. A Bem Verde - empresa carioca de paisagismo – inaugurou a Casa Ecológica no Colégio Miraflores. O projeto tem como objetivo pedagógico despertar a consciência ecológica em alunos de diferentes faixas etárias.

A casa de aproximadamente 5 m², inteiramente estruturada em bambu, funciona como viveiro de mudas da escola. O telhado foi confeccionado com 600 garrafas PETS, coletadas pelos estudantes. Nela, os alunos podem acompanhar o processo de germinação e crescimento de variadas árvores nativas brasileiras. Quando as mudas estiverem em tamanho de replante, as crianças participarão de um evento, no qual as espécies serão transplantadas para áreas degradadas.