Revista Êxito na Educação

Superdotados: a educação para as altas habilidades - Mitos e Verdades sobre os Superdotados

Mitos e Verdades sobre os Superdotados

MITOS

1. Superdotados são raros
Mito. A superdotação ocorre em uma a cada vinte pessoas - 5% da população! Se você tem a impressão de que são uma raridade, isto se deve ao fato de que não é fácil identificá-los apenas pela aparência.

2. As pessoas superdotadas têm elevado Q.I.
Mito. Os testes de Q.I. (Quociente de Inteligência) são limitados para a avaliação de superdotados, pois abordam apenas alguns aspectos da cognição e habilidades mentais humanas. Muitos superdotados possuem extraordinária habilidade não abordada por este tipo de teste.

3. Superdotados são sempre bons alunos.
Mito. Alguns são excelentes alunos, outros medianos, outros alunos ruins. Isso se explica pois, muitas vezes, falta estímulo específico, o aluno sente-se desmotivado e pode até considerar a escola comum entediante. Alguns superdotados têm dificuldade de seguir regras, podem se sentir diferentes do grupo e manifestar certa vulnerabilidade social. Tudo depende do caso, de que tipo de habilidade está em destaque. As matérias e o método de pontuação (nota) muitas vezes não contemplam o diferencial intelectual daquele aluno especificamente. O aluno com alta capacidade precisa frequentemente de apoio pedagógico diferenciado para atingir todo desenvolvimento de seu potencial peculiar. Por isso é fundamental a identificação desse aluno e do suporte escolar personalizado.

4. A grande maioria deles tem um futuro brilhante.
Mito. Um “futuro brilhante” resulta de muitas variáveis, não apenas de uma capacidade mental acima da média. De modo geral, a vantagem intelectual tende a levar as pessoas para boas universidades, bons empregos, grandes realizações, etc. Mas não ocorre sempre assim… Muitos talentos são pouco reconhecidos e muitas pessoas, infelizmente, não tem oportunidades, não são bem aconselhadas ou mesmo não têm sorte de estar no lugar certo na hora certa. Sucesso resulta da complexa combinação de fatos onde a inteligência e o talento são apenas parte do processo.

5. O cérebro deles é maior.
Mito. O tamanho do cérebro não tem, de modo geral, relação direta com o grau de inteligência. O que ocorrem são redes funcionalmente superiores, modalidades mais e melhor integradas, comunicação mais eficiente e arborizada entre neurônios, gerando maior velocidade de informação, melhor estratégia, melhor percepção de variáveis, melhor capacidade de percepção antecipada de resultados, entre outros fatores. A inteligência é resultado final dessas e de outras inúmeras capacidades do cérebro humano.

VERDADES

1. Existem Superdotados de ambos os sexos e todas as classes sociais
Verdade. A superdotação é democrática, podemos encontrá-la em qualquer cultura, época, etnia, sexo ou classe social. Contudo, os superdotados que conseguem desenvolver-se em famílias de maior poder aquisitivo, conquistam maior notoriedade, o que produz a falta ilusão de que são o resultado de uma formação em ambiente abastado.

2. “Superdotado” e “gênio” são coisas diferentes.
Verdade. Superdotado é quem possui uma ou várias capacidades específicas acima da média, enquanto o gênio é aquele que legou à humanidade uma contribuição grandiosa, como Mozart, Gandhi, Freud ou Einstein. O primeiro tem um enorme potencial, o segundo alcançou uma enorme realização. Nem sempre o gênio é superdotado, e vice-versa.

3. Superdotados podem ser fracos em determinadas atividades intelectuais.
Verdade. Superdotação é a manifestação de habilidade superior em algum aspecto acima da média, não necessariamente em todos. O superdotado pode ser brilhante em alguma coisa e péssimo em outras. Alguns autistas, por exemplo, com visível dificuldade social apresentam imensa habilidade de memória ou numérica. A Síndrome de Asperger (autismo de alto funcionamento) é um bom exemplo deste fato. Os desvios do desenvolvimento ocorrem para mais (superdotação) e podem ocorrer para menos (deficiência), sendo que o processo pode coexistir na mesma pessoa.

4. Podemos identificar um superdotado antes da fase escolar.
Verdade. Crianças intelectualmente superdotadas demonstram muito interesse e curiosidade, desenvolvem soluções criativas e surpreendentes. São focadas (quando gostam de determinada tarefa), têm memória boa, são geralmente precoces em alguma modalidade do desenvolvimento, tem vocabulário geralmente diferenciado.  Agora, temos que tomar cuidado no julgamento e na condução do desenvolvimento. Muitas crianças ditas “precoces” acabam se nivelando à população média com o passar dos anos. O mesmo pode ocorrer com os ditos “atrasados”, que podem ultrapassar a população média.

5. A superdotação é geralmente genética.
Verdade. A inteligência é fruto do nosso código genético e de fatores ambientais, como a nutrição e a exposição a fatores nocivos durante a fase de desenvolvimento. A inteligência apresenta 80 % de semelhança entre gêmeos idênticos e cerca de 40-50% entre gêmeos não idênticos. Isso significa dizer que há um grande componente do código genético, mas também há 20 % de questões ambientais envolvidas. Quando digo que é genético não estou falando que necessariamente é herdado dos pais! O código genético da criança é um misto do código do pai e da mãe e podem ocorrem algumas mutações durante o processo de passagem. Por isso, temos pais superdotados com filhos dentro da média e também filhos superdotados de pais com cognição mediana.

(extraído e adaptado de “10 Mitos e Verdades sobre Superdotados” do Neurologista Leandro Teles da USP)