Revista Êxito na Educação

Design Thinking leva inovação para as salas de aula - Envolvimento dos alunos

Envolvimento dos alunos

O docente não só reviu seu modelo com base nas diretrizes do Design Thinking como passou a ensinar seus alunos a usarem a metodologia. A primeira estratégia para gerar engajamento foi perguntar a eles o que os deixaria mais confortável em sala de aula. Era um convite aos estudantes para buscarem no mercado, mesmo em empresas de outros setores completamente diferentes da Educação, insights de inovações que poderiam ser incorporados à rotina do professor.

Os universitários encararam esse desafio lançando mão das técnicas do Design Thinking, que incluem as fases de descoberta do problema, ideação de possíveis soluções, experimentação ou prototipagem e evolução da inovação desenvolvida. Este já é o terceiro semestre que Ching aplica a dinâmica em sala de aula e escuta as sugestões dos próprios alunos para melhorias em sua prática de ensino. Apesar das décadas de experiência dele, o professor enxerga na troca e no trabalho colaborativo com os jovens a forma de inovar.

O Coordenador da FEI já escreveu um artigo sobre a aplicação do Design Thinking dentro de sala de aula e pretende escrever outros. Algumas sugestões de alunos geraram ideias que foram incorporadas aos seus dias com as turmas – que têm cada vez menos tempo passado ao quadro negro. “Percebi que eles desejavam algo mais competitivo em sala de aula e criei bancas de três professores que avaliavam apresentações em pitch de projetos dos estudantes. Ainda assim, notei que não estavam totalmente satisfeitos. Criei então o Pitch Fight”, conta Ching.